jueves, 24 de marzo de 2016

Leitura do Santo Evangelho, Sexta-feira 25 de Março (clique aqui)


 Sexta-feira, 25 março
 Evangelho do dia (Jo 18, 1-19,42): Naquele tempo, Jesus passou com seus discípulos em todo o Vale de Kidron, onde havia um jardim, que ele e seus discípulos entraram. Mas Judas, que o traía, também conhecia aquele lugar, porque Jesus tinha encontrado lá muitas vezes com seus discípulos. Judas, em seguida, vem lá com a coorte e os guardas enviados pelos principais sacerdotes e fariseus, com lanternas, tochas e armas. Jesus sabia tudo o que ia acontecer, ele vem para a frente e pergunta: "Quem você está procurando". Eles responderam: "Jesus de Nazaré". Disse-lhes: "Eu sou". Judas, o traidor, estava com eles. Quando eu disse, "eu sou", eles recuaram e caíram no chão. Ele pediu-lhes novamente: "A quem procurais?". Eles responderam: "Jesus de Nazaré". Jesus respondeu: "Eu lhe disse que eu sou; por isso, se você procurar-me, deixe estes outros vão. " Assim se cumpriu o que tinha dito: ". Dos que me deste, não perdi nenhum" Então Simão Pedro, que tinha uma espada, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, e cortou-lhe a orelha direita. O servo era Malco. Jesus disse a Pedro: "Guarda a tua espada na bainha. O cálice que o Pai me deu, não vou beber? ".

Então a coorte, o tribuno e os guardas judeus prenderam Jesus, amarraram-no e o levaram primeiro a Anás, pois era sogro de Caifás, o sumo sacerdote naquele ano. Foi Caifás que aconselhou aos judeus que convinha que um homem morreu para o povo. Eles seguiram Jesus Simão Pedro e outro discípulo. Este discípulo era conhecido do sumo sacerdote e entrou com Jesus no pátio do sumo sacerdote, enquanto Pedro ficou do lado de fora da porta. Então o outro discípulo, aquele conhecido do sumo sacerdote, falou à porteira e conduziu Pedro. A menina porteiro diz a Pedro: "Você não é mais um dos discípulos desse homem?". Ele diz: "Eu não sou." Os servos e os guardas tinha brasas porque estava frio, e aquecido. Pedro também estava com eles a aquecer. O sumo sacerdote interrogou Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina. Jesus respondeu: "Eu tenho falado abertamente ao mundo; Eu sempre ensinei na sinagoga e no templo, onde todos os judeus se reúnem, e eu não disse nada em segredo. Por que me perguntas? Pergunte aos que me ouviram o que eu lhes falei a eles; eles sabem o que eu disse. " Apenas dito isso, um dos guardas que ali há um tapa Jesus, dizendo: "É assim que respondes ao sumo sacerdote?". Jesus respondeu-lhe: "Se falei mal, declara que está errado; mas, se falei bem, por que me bates? ". Anás enviou, maniatado, a Caifás, o sumo sacerdote. Simão Pedro que se aquecia estava lá e disse: 'Você não é outro de seus discípulos? ". Ele negou, dizendo: "eu não sou." Um dos servos do sumo sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha, disse: "Eu não te vejo no jardim com ele?". Peter voltou a negar, e imediatamente o galo cantou.

A casa de Caifás levar Jesus para o pretório. Era de manhã cedo. Eles não entraram no pretório não se contaminarem, mas poderem comer a Páscoa. Ele foi Pilatos até eles e disse: "Que acusação trazeis contra este homem?". Eles responderam: "Se ele não fosse um malfeitor, não teríamos entregue." Pilatos respondeu: "Tomai-o vós e julgai-o segundo a vossa lei." Os judeus responderam: "Nós não podemos condenar ninguém à morte." Assim se cumpriu o que Jesus tinha dito quando ele indicou que morte havia de morrer. Pilatos entrou no pretório de novo e chamou a Jesus e disse: "És tu o rei dos judeus?". Jesus respondeu: "Você diz isso por conta própria, ou foram outros dizem a você sobre mim?". Pilatos respondeu: "Eu sou um judeu? Sua nação e os sumos sacerdotes entregaram-te a mim. O que você fez?". Jesus respondeu: "O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus servos lutariam que não foi entregue aos judeus; mas o meu reino não é daqui ". Pilatos disse: "Então, tu és rei?". Jesus respondeu: "Sim, como você diz, eu sou rei. Para isso nasci e para isto vim ao mundo para dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. " Ele diz a Pilatos: "Que é a verdade?". E com isso, ele saiu novamente para os judeus e disse-lhes: "Não acho culpa nele, mas é costume entre vós que para liberar um para a Páscoa .. Será que você, então, que solte o rei dos judeus? ". Eles gritaram, dizendo: "Para que, não; Barrabás. " Barrabás era um ladrão.

Então Pilatos tomou a Jesus e mandou açoitá-lo. Os soldados torcidos juntos uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça e vestiram-no com um manto de púrpura; e, eles estão se aproximando dele e dizendo: "Salve, Rei dos Judeus". E deram bofetadas. Pilatos saiu outra vez e disse: "Eis que eu trazê-lo de modo que você pode saber que não acho nele crime algum." Deixou então Jesus usava a coroa de espinhos eo manto de púrpura. Pilatos disse: "Eis o homem". Quando viram os principais sacerdotes e os guardas gritaram: "Crucifica-o, crucifica-o!". Pilatos disse-lhes: "Tomai-o vós e crucificá-lo, porque eu não acho nele crime algum." Os judeus responderam-lhe: "Nós temos uma lei e segundo esta lei ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus." Quando Pilatos ouviu estas palavras, ele estava com mais medo ainda. Ele reentrou no palácio e disse a Jesus: "De onde você é?". Mas Jesus não lhe deu resposta. Pilatos disse: "O que tu não me respondes? Você não sabe que tenho poder para te soltar e poder para te crucificar? ". Jesus respondeu: "Você não teria nenhum poder sobre mim se não tivesse desistido; Portanto, quem me entregou a ti, maior pecado tem ". Desde então Pilatos tentou libertá-lo. Mas os judeus gritavam: "Se soltas este homem, não és amigo de César; todos os que se torna rei é contra César ". Quando Pilatos ouviu estas palavras, trouxe Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado Pavimento de pedra, em hebraico Gabatá. Era o dia da Preparação da Páscoa, na sexta hora. Pilatos disse aos judeus: "Aqui é o seu rei." Eles gritavam: "Fora, fora! Crucifica-o. " Pilatos disse: "O que devo crucificar o vosso Rei?". Eles responderam, os principais sacerdotes: "Não temos rei, senão César". Em seguida, entregou-o para ser crucificado.

Tomaram, pois, Jesus, e ele, carregando a sua cruz, saiu para um lugar chamado Calvário, que em hebraico se chama Gólgota, onde o crucificaram e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio. Pilatos escreveu uma inscrição e colocá-lo na cruz. A escrita era, "Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus". Esta inscrição ler muitos judeus, porque o lugar onde Jesus foi crucificado era próximo da cidade; e estava escrito em hebraico, latim e grego. Os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: "Não escrevas 'O Rei dos Judeus', mas, 'Ele disse:' Eu sou o Rei dos Judeus '." Pilatos respondeu: "O que escrevi, escrevi." De os soldados crucificarem Jesus, tomaram as suas vestes, com aqueles que fizeram delas quatro partes, para cada soldado, e a túnica. O casaco era sem costura, tecida de alto a baixo. Então eles disseram: "Não a rasguemos; mas a sorte para ver quem fica ". Que a Escritura se cumprisse: "Eles dividir minhas vestes lançaram sortes sobre a minha roupa." E é isso que fizeram os soldados. Perto da cruz de Jesus estavam sua mãe e irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua mãe e que o discípulo a quem ele amava, disse à sua mãe: "Mulher, eis o teu filho". Depois disse ao discípulo: "Eis a tua mãe". E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa.

Depois disso, Jesus que todas as coisas já estavam consumadas, para que a Escritura se cumprisse, diz saber: ". Tenho sede" Houve um vaso cheio de vinagre. Eles preso a um galho de hissopo uma esponja embebida em vinagre e segurou-a à boca. Quando Jesus tomou o vinagre, disse: "Está consumado". E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

Os judeus, como era o dia da preparação, que os corpos não ficassem na cruz no sábado, uma vez que o sábado foi muito solenemente rogou a Pilatos para ter as pernas quebradas e os órgãos retirados. Eles eram, portanto, os soldados foram e quebraram as pernas ao primeiro e outro crucificado com Ele. Mas quando chegaram a Jesus, viram já estava morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e imediatamente saiu sangue e água. Aquele que viu é testemunho e seu testemunho é verdadeiro, e ele sabe que diz a verdade, para que também vós creiais. E tudo isso aconteceu para que a Escritura se cumprisse: "Você não vai quebrar um osso." E outra vez diz a Escritura: "Hão-de olhar para Aquele que trespassaram».

Depois disto, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus, embora oculto por medo dos judeus, pediu permissão de Pilatos para remover o corpo de Jesus. Pilatos lho permitiu. Eles vieram e levaram seu corpo. -que Nicodemos foi também já tinha ido vê-lo noite- com uma mistura de mirra e aloés, cerca de cem libras. Eles levaram o corpo de Jesus e envolto em bandagens com as especiarias, seguindo o costume de sepultamento judaica. No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim, e no jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda havia sido enterrado. Há, portanto, porque era o dia da Preparação dos judeus e o túmulo estava perto, puseram a Jesus.

  Nós compartilhamos seu irmão em Cristo, padre Santiago Zamora 
 #diario #padresantiagozamora #evangelio #sacerdotessinfronteras #jesus #cristo #iglesia #biblia #cristianismo